Imagem das peças do jogo do Onde Moram as Coisas

Venha jogar o "Onde Moram as Coisas" na Oficina do Erro

José Edição, Lançamento de livro Deixe um comentário

Agora que 2017 já se instalou nos calendários e que a rotina tende a alisar os dias e a torná-los demasiado parecidos, desafiamo-lo a largar o quentinho da cama no próximo dia 28 e a vir reinventar a manhã de sábado, na Fábrica da Pólvora em Oeiras, a pretexto do novo livro da Qual Albatroz: Onde Moram as Coisas. Temos uma apresentação original para lhe mostrar e precisamos que a venha “jogar” connosco. Ah! E se tiver pequenotes em casa, traga-os consigo! Ah! E se não quiser jogar, não se preocupe, venha à mesma. Pode aproveitar para conhecer o nosso novo espaço, a Oficina do Erro.

Não foi por acaso que escolhemos a manhã de sábado. A luz deste fim de Janeiro já prenuncia dias mais longos e graciosos, e é de manhã que o sol é mais promissor e que as aves desenham espirais sonoras mais encantadoras na superfície da ribeira de Barcarena.

É nesse exacto cenário que queremos dar a conhecer esta história, que nos fala dos lugares onde as coisas moram, e que nos vai levar a revisitar coisas que habitam o nosso dia-a-dia. Mas não pense que se trata de uma apresentação tradicional, com discursos intermináveis e desinteressantes…zzz…zzz… Essa não é a nossa forma de fazer as coisas. Vamos apresentar o livro por intermédio de um jogo narrativo que nos levará direitinhos à casa onde moram coisas valiosas, como a amizade e a liberdade – que são, afinal, os pilares que sustentam a Qual Albatroz.

O livro junta as palavras do Pedro Ferrão e os desenhos do Marc Parchow, e nas suas páginas conta-se uma história que nos ensina sobre a necessidade de desaprendermos, de termos atenção aos hábitos e aos automatismos que tomam conta da nossa vida adulta e que não deixam lugar para o olhar desprevenido, para a curiosidade genuína ou para o prazer das palavras e dos jogos.

É, pois, de um modo informal e lúdico que esperamos por si no próximo dia 28, às 11 horas, na Oficina do Erro.

P.S. – Para quem não saiba, a Fábrica da Pólvora, além do seu belo jardim, com parque infantil e percursos pedonais, tem dois restaurantes e uma cantina económica que serve boas refeições.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *