Fábrica da Pólvora: The Explosive New Art Scene in Oeiras

JoséUncategorized 2 Comentários

Quem o diz é Ellis Dixon, uma das várias colaboradoras da revista online Atlas Lisboa, uma publicação que anda à procura dos encantos escondidos de Lisboa. A Elis veio morar para Lisboa em 2012 e “apaixonou-se pela luz, pela saudade, pelas sandes e pelas pessoas”. Ela visitou a Fábrica, passou pela Oficina do Erro e parece que gostou. Leiam tudo …

Onde Moram as Coisas - Capa

“Onde Moram as Coisas” integra o catálogo da White Ravens em 2017

JoséNovas Deixe um comentário

O Onde Moram as Coisas, do Pedro Ferrão e do Marc, foi uma das obras seleccionadas para o catálogo da White Ravens 2017.O júri que presidiu à seleção falou assim sobre o nosso livro:A sentence hidden on the book’s impressum says it well: “This book may contain smiles”. Smiling is in fact inevitable, due to the haptic pleasure the book …

Qual Albatroz - 10 anos a virar frangos

A Qual Albatroz faz 10 anos, e queremos festejar convosco!

JoséActividades, Lançamento de livro, Livros feitos à mão, Novas, Palestra, Serigrafia Deixe um comentário

================================= Inscreva-se já e junte-se à festa ================================= oi numa tarde de Setembro, corria o ano de 2007. Fazia sol e as pessoas sorriram-nos quando entrámos num já esquecido edifício, perto da Estrada de Benfica, para registar o nome da “Qual Albatroz” (o Marc foi ver os papéis e disse que era o Registo Nacional de Pessoas Colectivas). A possibilidade de o nome poder …

Um bom começo!

JoséEdição, Lançamento de livro, Novas Deixe um comentário

Começámos 2017 da melhor maneira. As nossas oficinas têm trazido cada vez mais pessoas, que nos têm dado um feedback muito encorajador. Em Janeiro, tivemos também uma apresentação do nosso último livro, Onde Moram as Coisas. O Pedro e o Marc fartaram-se de dar autógrafos, mas o mais divertido foi mesmo jogar o jogo que andámos a preparar durante todo …

Marc Parchow

JoséAutores 1 Comentário

Marc nasceu em Paris no Verão quente de 1976, onde foi sujeito a uma elevada concentração de criatividade, que mais tarde o viria a prejudicar na escolha de emprego, tornando-o indiferente a qualquer carreira lucrativa. Já em Portugal, estudou design na faculdade, e desde então sobrevive a desenhar.